Cada produto tem sua particularidade quando se trata de comercialização de matéria prima, inclusive a cana-de-açúcar. No setor sucroenergético, o produtor entregará seu produto final que, para a indústria, é inicial. Para tanto, a relação de remuneração do produtor termina no exato momento em que ele vende a cana, e não obtém mais lucros após o processamento.

Para entender a complexidade de mensuração da matéria prima que vai gerar o valor de remuneração do produtor, Celso Albano Carvalho, gestor executivo da Orplana (Organização de Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil), explicou como o pagamento é feito ao setor que gera matéria prima para o açúcar doméstico e combustível, por exemplo.

“O preço que temos hoje foi estipulado há muito tempo. Antigamente se pagava a cana por tonelada bruta, mas isso mudou quando notaram a diferença energética que existe na planta. Assim se iniciou o pagamento de cana pelo teor de sacarose, ou PCTS”, conta.

Outros fatores tornaram-se parâmetro para o pagamento, explicou Carvalho, como pureza, fibra e açucares. “Baseado nisso criou-se um conselho para fazer a análise do comportamento do produto. Ele cunhou uma metodologia complexa de remuneração do produtor, mas que é dominada pelo setor.”

Consecana

Responsável por reunir os interesses de representantes dos produtores rurais de cana-de-açúcar e de usinas de açúcar e destilarias de álcool, o Consecana (Conselho dos Produtores de Cana de Açúcar, Açúcar e Etanol) sugere o preço base do produto de acordo com o comportamento recente do mercado.

“A complexidade desse sistema chegou a um porto de torna-lo o melhor mecanismo – e talvez mais transparente – de pagamento da matéria prima”, explica o gestor. Com o tempo, ele observa, a história do setor sucroenergético mudou, acatando em uma necessidade de mudança na remuneração do produtor.

“Tivemos automatização da plantação, uma melhor eficiência de extração do açúcar e uma qualidade melhor na quantidade dessa substância. Então o produtor que tem melhor resultado de ATR (Açúcares Totais Recuperáveis) na sua cana sai em prejuízo”, relata Carvalho.

O gestor cita ainda a economia como fator que pode prejudicar o pagamento feito ao produtor. Com o grau de endividamento do setor em alta e o arrendamento de terras, o pagamento baseado na tabela da Consecana criou uma armadilha para si.

Ainda nessa questão, o Conselho paga ao produtor a quantidade de extração de açúcar da cana por área alugada. Quando uma revisão da tabela acontece, toda a folha de pagamento é alterada, deixando a produção onerada e uma dívida com o dono das terras.

Alternativa

Segundo Carvalho, ainda não é feito um plano que traga uma remuneração ao produtor de forma mais justa. Entretanto, a Orplana estuda formas de mostrar aos profissionais os reflexos da defasagem no setor canavieiro.

“Em conjunto com o Pecege, fizemos um trabalho indicando uma média de 15% de diferença nesse pagamento. Ou seja, se eu tenho um custo de produção de 100 reais, devo receber por ela, no mínimo, esse mesmo valor”.

O que acontece, acrescenta, é que o valor recebido é apenas de 85 reais. “Isso gera um cabo de guerra entre o produtor e a indústria, que não pode ficar sem esse insumo”, comenta.

O gestor lembra que nenhum lucro após a venda para indústria é passado ao produtor, inclusive o aumento no preço de seus derivados. Todo o processo de lucro é inerente apenas da compra feita pela indústria.

Quer saber mais sobre a produção de cana? Leia também o artigo produtor de açúcar, não de cana. 

  • produção de cana
  • produtor rural
  • remuneração
  • setor sucroenergético